Realizar investimentos de longo prazo (mais de cinco anos) é uma maneira de o indivíduo se prevenir quanto ao futuro e, assim, ter uma vida mais tranquila durante a aposentadoria. Já pensou se você pudesse voltar no tempo para rever alguma decisão e obter uma melhor situação nos dias de hoje?

Como isso não é possível, cabe a você agora programar os próximos cinco, dez, quinze anos… Ao fazer isso, é como se você lançasse sementes de patrimônio, para colher mais tarde.

Nesse sentido, o quanto antes começa a poupar e a investir, mais tempo terá para multiplicar o capital. Para não perder essa oportunidade, veja a seguir alguns motivos pelos quais é tão importante fazer investimentos de longo prazo e confira algumas sugestões de aplicações.

Para planejar a vida financeira

Quando se trata de relação com o dinheiro, uma parcela significativa dos brasileiros vive apenas o presente, quer dizer, gasta tudo o que ganhou com pagamento de dívidas.

Contudo, tal postura é bastante prejudicial para a saúde financeira, pois favorece o endividamento, uma vez que o capital mensal fica sempre comprometido.

Ao contrário, quem assume hoje em dia uma atitude de economia e pensa no futuro, procura realizar investimentos de longo prazo para garantir tranquilidade para si mesmo e para os familiares. Nesse caso, é de grande valia o estabelecimento de metas de poupança, para que o investidor faça um “plantio” regular de riqueza.

Ao poupar para o curto, o médio e o longo prazo, com porcentagens diferentes da renda mensal, o indivíduo consegue se planejar financeiramente e aumenta as chances de conquistar objetivos com os respectivos prazos.

Dessa forma, consegue-se um controle mais efetivo do dinheiro, com um consumo consciente, já que os valores destinados a um investimento devem ser reservados da renda habitual em primeiro lugar.

Para pagar menos tributos

No Brasil, via de regra, quem investe por mais tempo na renda fixa tende a pagar menos tributos do que quem faz aplicações de curto prazo.

Com relação ao Imposto de Renda retido na fonte, sobre o rendimento dos investimentos, há uma tabela regressiva de alíquotas que valoriza o investidor de longo prazo. Veja as porcentagens, a seguir.

Tabela de Imposto de Renda retido na fonte — Aplicações de Renda Fixa

Prazo do investimento

Alíquota sobre o rendimento

Até 180 dias

22,5%

De 181 até 360 dias

20%

De 361 até 720 dias

17,5%

Mais do que 720 dias

15%

 

Como você pode notar, os investimentos de longo prazo se encaixam na faixa de menor alíquota do IR retido na fonte, logo, a rentabilidade final será maior para quem deixa o dinheiro aplicado por mais tempo.

Embora o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro (IOF) tenha incidência nas operações de curto prazo, a tabela regressiva de alíquotas que esse tributo possui é mais um exemplo de que deixar o dinheiro aplicado por mais tempo gera mais rendimento para o investidor.

Nesse caso, a alíquota do IOF começa em 96% sobre o rendimento, para quem faz aplicações de um único dia, e cai gradativamente para 0%, para quem fica com o investimento durante 30 ou mais dias.

Para fazer o dinheiro render mais com investimentos de longo prazo

Quem não ouviu falar no efeito dos “juros sobre juros”, não é mesmo? Na verdade, trata-se da ação dos juros compostos, que aumenta o lucro de um investimento mês a mês, já que a taxa é calculada sobre os valores acumulados e não sobre o capital inicial.

Ao realizar investimentos de longo prazo, a pessoa tem tempo suficiente para notar a evolução da quantia investida, já que o “boom” de crescimento ocorre só depois de alguns anos de aplicação. Além disso, é comum as instituições financeiras oferecem taxas de rentabilidade maiores para quem fica com o dinheiro investido por mais tempo.

Na modalidade de renda fixa, existem alguns tipos de ativos que podem atender às necessidades de quem pretende aplicar em longo prazo, como os Certificados de Depósito Bancário (CDBs) e as Letras de Crédito Imobiliário (LCIs).

Ambas as aplicações funcionam como espécies de empréstimos do investidor a um banco, que utiliza esses recursos captados para oferecer crédito para o público, no caso das LCIs, para atividades ligadas especificamente ao setor imobiliário.

Do ponto de vista do investidor, é mais vantajoso emprestar o recurso para a instituição bancária do que para uma pessoa qualquer, já que o banco assume o risco da operação. Logo, mesmo que o tomador do crédito da instituição não honre o compromisso, o banco pagará o valor para o investidor.

Na hipótese de ocorrer a inadimplência do título (aplicação) ou a falência da instituição financeira, o que não ocorre com tanta frequência, ainda há a proteção do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que ressarce o investidor no valor limite de até R$ 250 mil por CPF e por conta.

Tal fundo é uma associação formada por diversos bancos, que contribuem periodicamente com recursos, para garantir a segurança do sistema financeiro nacional.

Para se defender das oscilações na economia

Se você já tem algum tempo de vida, é provável que tenha vivenciado cenários favoráveis e adversos na economia brasileira, não é mesmo? Em certa medida, o sobe e desce é quase uma característica natural dos mercados.

Quem investe em curto prazo deve ficar atento a essas oscilações, para se posicionar de maneira adequada no que diz respeito às aplicações. Entretanto, esse tipo de movimentação requer conhecimento e agilidade no mercado financeiro.

Por outro lado, as pessoas que fazem investimentos de longo prazo não precisam se preocupar com o vai e vem da economia no horizonte de tempo imediato.

Desde que escolham aplicações que estejam de acordo com os próprios objetivos financeiros, esses tipos de investidores podem esperar a rentabilidade esperada sem se estressar com as movimentações diárias dos papéis.

Como você pôde notar, fazer investimentos de longo prazo tem várias vantagens. No caso da opção pela renda fixa, o indivíduo não abre mão da segurança das aplicações e, ao mesmo tempo, tem condições de se planejar com antecedência para a aposentadoria ou para a conquista de outro objetivo.

Gostou deste post? Então, compartilhe-o nos seus perfis nas redes sociais e ajude mais gente a programar o futuro com tranquilidade!