taxa de variaçãoComparar a variação de preços de um ativo de forma eficaz é muito importante para que o investidor possa tomar decisões e manter sua carteira rentável. Para atingir esse objetivo, uma das ferramentas utilizadas é a taxa de variação ou Rate of Change (ROC).

A ROC é um indicador de análise técnica da família dos osciladores e foi criado, justamente, para avaliar a taxa de variação de preços de um ativo, comparando o momento atual com um número desejado de períodos anteriores.

Esse indicador mostra divergências e zonas de sobrecompra e sobrevenda a partir de valores que flutuam acima e abaixo do zero. Em um primeiro momento, isso soa um tanto complexo. Porém, ao longo deste post você compreenderá melhor como essa comparação é feita.

Continue lendo e garanta bons investimentos!

Quais são as premissas básicas da taxa de variação?

O primeiro passo para compreender como os analistas utilizam a ROC é conhecer a sua fórmula:

ROC = [(fechamento atual – fechamento n períodos anteriores) ÷ (fechamento n períodos anteriores)] * 100

O resultado produzido pela fórmula será uma porcentagem que varia acima e abaixo de uma linha central (0%). Essa porcentagem ou linha não tem um limite superior, mas tem um limite inferior de -100%. Isso acontece porque um ativo pode subir de preços infinitamente, mas o máximo que ele pode cair é 100%.

Já que a ROC indica a variação percentual do preço de um ativo em um determinado período, os preços desse ativo estarão em alta enquanto o ROC estiver em valores positivos. Por outro lado, os preços estarão em queda quando o ROC estiver em patamares negativos.

Veja, a seguir, os significados dos movimentos na taxa de variação.

Linha crescente

A linha ROC crescente serve para indicar preços em alta ou ainda uma leve desaceleração de um movimento de baixa.

Linha decrescente

Já a linha ROC decrescente pode indicar preços que estão em baixa ou simplesmente apontar uma desaceleração de um movimento de alta.

Tendência de alta

É quando a linha do indicador está acima de 0.

Tendência de baixa

Aqui, é quando a linha ROC está abaixo de 0.

Ao compreendermos essa base, podemos começar a explorar como os analistas técnicos utilizam a ROC para comparar a taxa de variação de preços de um ativo, conforme veremos a seguir.

Qual a importância de um indicador de tendência como a ROC?

Os investidores com mais experiência no mercado financeiro repetem com frequência que a “tendência é a melhor amiga das aplicações”. E eles estão corretos.

Na realidade, seguir tendências é a maneira mais simples de garantir trades lucrativos, ou seja, trocar riscos de pequenas perdas pela probabilidade de ganhos maiores. Para isso, é preciso que o investidor tenha um firme controle de quando uma tendência começa e quando ela termina.

Os indicadores que se encaixam na categoria de análise de tendência levam em conta os movimentos dos preços (alta ou baixa). Por isso, são ideais para esse controle por parte do investidor.

Quanto maior é a sua familiaridade com essas ferramentas, mais simples é o seu uso e, consequentemente, maiores as suas chances de obter rendimentos mais atrativos.

Como os analistas utilizam a ROC?

Uma das maneiras de utilizar a ROC é configurar diferentes períodos para a realização da análise. Imagine um cenário de aproximadamente 250 dias de pregão (dias úteis na janela de transações) abertos por ano. Sendo assim, pode-se utilizar uma ROC de 250 dias (um ano), uma de 125 dias (6 meses), uma de 63 dias (um trimestre) e uma de 21 dias (um mês).

Ao combinar as quatro ROCs em um mesmo gráfico, é possível identificar todas as alterações de tendência com as taxas de ROC de curto prazo, bem como a duração e força dessas tendências nas ROC de prazo mais longo.

Com essa visualização, os analistas conseguem compreender quais os melhores momentos de venda ou compra de ativos.

Quando a linha ROC indica que o investidor deve comprar ou vender ativos?

Os chamados sinais de compra acontecem quando a ROC cruza a linha 0 de baixo para cima, enquanto os sinais de venda acontecem nos momentos em que a ROC cruza a mesma linha de cima para baixo.

Um detalhe importante é que ROCs de períodos mais longos são boas para identificar prazos mais longos (movimentos maiores). Já para a identificação de prazos mais curtos (movimentos menores), o ideal são as ROCs de períodos mais curtos.

Como os analistas tornam a comparação ainda mais confiável?

Analisando divergências

Temos uma divergência alta quando a ROC faz fundos cada vez mais altos, o que indicaria sinal de compra, enquanto os preços formam fundos (declives) cada vez mais baixos.

Já a divergência baixa acontece quando os preços formam topos mais altos, ao passo que a ROC dá origem a topos cada vez mais baixos (sinal de venda).

Analisando níveis de sobrecompra e sobrevenda

Outra análise útil é em relação aos níveis de sobrecompra e sobrevenda, observando regiões que costumam bater e corrigir nessas zonas. Apesar de não existir uma região específica para posicionar essas zonas, o ideal é analisar o próprio histórico do indicador. Junto a isso, é feita a verificação da formação de fundos e topos nos preços, a fim de demarcar os níveis.

De modo geral, as regiões de sobrecompra e sobrevenda servem para identificar boas oportunidades de compra e venda dentro da tendência do momento e obter maiores ganhos.

Utilizando uma média móvel simples do ROC

Para aumentar a confiabilidade, alguns analistas também utilizam como referência uma média móvel simples da própria linha ROC. O objetivo é suavizar o indicador e reduzir a ocorrência de sinais falsos.

Independentemente do sinal que o indicador ROC mostrar, é sempre importante cruzá-lo com outros indicadores para concluir se realmente é um bom momento para vender ou comprar o ativo.

Por fim, podemos concluir que a ROC é um índice muito usado para medir a taxa de variação de preços de um ativo e a velocidade na qual os preços estão crescendo ou caindo.

Conforme vimos, o aumento na ROC mostra que o preço da ação está em alta, ao passo que uma queda na ROC denota que o ativo está perdendo valor.

De qualquer maneira, um analista cuidadoso combinará a ROC com outros indicadores de análise técnica, além de utilizar a taxa de variação de preços com diferentes períodos, evitando sinais incorretos.

Conseguiu entender mais sobre a taxa de variação? Ficou alguma dúvida? Deixe seu comentário abaixo para que possamos contribuir ainda mais com os seus investimentos!