Quem já está investindo em ações de longo prazo, possivelmente, sabe que ter estratégia e “sangue frio” são requisitos fundamentais para seguir tal caminho no mercado financeiro. É importante ter em mente que a bolsa de valores é um ambiente marcado pelo sobe e desce dos preços das ações.

Para se ter uma ideia disso, em um só dia é comum a cotação de certo papel ter uma alta considerável e, momentos depois, cair com força semelhante. Nesse sentido, quanto maior a oscilação dos preços, maior é a chamada “volatilidade” do ativo. Diante dessa característica do mercado acionário, os investidores precisam se municiar para se proteger contra possíveis riscos.

Confira, a seguir, uma série de boas práticas para quem está investindo em ações de longo prazo!

Busque educação financeira

Se você tem interesse pelo mercado acionário ou, até mesmo, já investe em determinados papéis, deve saber que a bolsa de valores é um ambiente um pouco complexo. Isso quer dizer que, em princípio, um investidor iniciante não deveria encarar tal realidade sem qualquer tipo de preparação.

O mercado de ações faz parte da denominada renda variável, em que os valores dos ativos tanto podem subir quanto cair. Dessa maneira, o risco envolvido nas operações realizadas na bolsa de valores é muito maior do que o existente nas aplicações de renda fixa, como Certificado de Depósito Bancário (CDB), Letra de Crédito Imobiliário (LCI) etc.

Assim, antes de fazer qualquer transação na bolsa de valores, é essencial que o investidor procure por conhecimentos de educação financeira. Nesse sentido, cursos online, palestras, livros, entre outras possibilidades de aprendizado, são bem-vindos.

Note que, por educação financeira, você deve entender tudo aquilo que está relacionado ao dinheiro, como taxa básica de juros, câmbio, inflação, Produto Interno Bruto (PIB), nível de emprego, custo de oportunidade etc.

Não se assuste, pois você não precisará fazer uma faculdade de Economia, mas apenas ter noções gerais dos conceitos que fazem parte do mercado financeiro. Com isso, quem está investindo em ações de longo prazo consegue se posicionar de maneira mais eficiente diante dos riscos e oportunidades existentes no decorrer do tempo de aplicação.

Entenda como funciona a bolsa de valores

Conhecimentos de educação financeira possibilitam a compreensão do contexto econômico, sem a qual fica difícil ter sucesso no mercado de ações, além de proporcionar o aprendizado acerca de diferentes tipos de investimentos.

Ainda assim, a pessoa que quer aplicar recursos em ações de longo prazo deve entender como funciona especificamente a bolsa de valores. Nesse aspecto, podem ser listados assuntos como: lançamento dos papéis pelas companhias, formação das cotações, processo de compra e venda dos ativos, execução das transações nas plataformas, ferramentas de análises dos gráficos de preços etc.

Embora esse conjunto de conhecimentos possa assustar um investidor iniciante, tenha em mente que a aprendizagem ocorre aos poucos. Assim, passo a passo, o indivíduo começa a ter mais intimidade como o “jargão” da bolsa e, com isso, pode atuar de maneira segura e eficiente no mercado acionário.

Tenha estratégias de quem está investindo em ações de longo prazo

Quem já está a par do que acontece no mercado acionário sabe que é possível ganhar dinheiro em curtíssimo, curto, médio e longo prazo. É claro que, para cada horizonte de tempo, existem estratégias diferentes. Ao seguir o caminho mais adequado para determinada situação, o indivíduo aumenta consideravelmente as chances de bons resultados.

Via de regra, a pessoa que está investindo em ações de longo prazo lança mão da chamada análise fundamentalista, que é um método de avaliação de ativos que leva em conta indicadores de desempenho das companhias.

Dessa forma, a pessoa estuda dados relativos à geração de caixa, à lucratividade, ao endividamento, às perspectivas de crescimento, entre outros aspectos. Para tanto, é comum se utilizarem os balanços das empresas, entre outras informações disponíveis pelos respectivos setores de relações com investidores (RI) das companhias.

Saiba diversificar as aplicações financeiras

Quem está investindo em ações de longo prazo, por vezes, deve ter “sangue frio” para superar certas oscilações que ocorrem nos preços dos ativos. É bem verdade que tal postura se torna mais fácil quando a pessoa fez um correto planejamento financeiro antes de aplicar recursos na bolsa.

Por exemplo, é fundamental identificar o próprio perfil de tolerância a risco como também diversificar os investimentos. Afinal, você não pode colocar na bolsa uma quantia que vai precisar utilizar no curto ou no médio prazo. Nesses casos, é recomendável deixar o dinheiro aplicado na renda fixa, na qual a segurança é maior.

Se a sua ideia é realmente investir em ações de longo prazo, você deve ter renda suficiente para manter o seu padrão de vida até que os ativos da bolsa deem os resultados almejados.

Como você deve ter acompanhado, o Brasil passou por vários eventos políticos, econômicos e sociais nos últimos anos que trouxeram impactos específicos nas ações da bolsa. Se são observados somente enquanto ocorrem, tais eventos podem gerar interpretações equivocadas sobre o mercado em geral.

Entretanto, quando avaliados num horizonte de tempo mais estendido, esses fatos passam a ser vistos como conjunturas específicas, quer dizer, aspectos pontuais numa trajetória mais longa.

Identifique os pontos mais oportunos de entrada e saída dos ativos

Mesmo quem está investindo em ações de longo prazo sabe que há hora para entrar e para sair da bolsa. A propósito, existe uma máxima para orientar esses movimentos: “compre na baixa e venda na alta!”.

Isso significa que o investidor deve aproveitar períodos de preços em queda para adquirir papéis de empresas sólidas, com boas perspectivas de crescimento em cenários mais favoráveis, e vender os ativos quando as cotações estiverem na “crista da onda”.

É claro que identificar tais pontos requer conhecimento do mercado e certa prática de atuação na bolsa de valores. Ainda assim, o estudo das informações das companhias, dos setores em que elas estão presentes e da economia em geral (tanto nacional quanto mundial) aumenta a possibilidade de o investidor ser mais certeiro na tomada de decisão.

Como você pode notar, aplicar em ações de longo prazo não é algo tão simples assim. Apesar disso, os históricos de valorização dos ativos mostram que, quem soube aproveitar os momentos de queda para comprar papéis promissores, teve ganhos significativos quando a economia voltou a acelerar.

Por falar em fazer o dinheiro render, leia também o post “7 motivos para investir no Paraná Banco”. Confira e se surpreenda!