O fundo de ações tem se consolidado como uma boa alternativa para investidores que buscam maior rentabilidade e que querem contar com o auxílio de profissionais especializados em avaliar as melhores estratégias do mercado financeiro.

Porém, qual é o melhor caminho para escolher um fundo de ações? Neste artigo, ajudaremos você a responder essa questão e indicaremos quais critérios devem ser analisados. Continue a leitura e entenda!

O que significa fundo de ações?

Quando falamos em ações, é comum que o primeiro pensamento seja a compra de papéis para investir na Bolsa de Valores. No entanto, esse não é necessariamente o caminho mais simples para quem busca aplicar em renda variável.

Em vez de comprar ações individualmente, o investidor pode recorrer a um fundo gerido por profissionais especializados em analisar as melhores estratégias do mercado.

Ao agir dessa forma, o investidor evita os riscos de direcionar seu dinheiro para um mercado em que atuar sozinho demanda alto conhecimento na área. Além disso, passa a ter o apoio de experts em analisar quais são as ações que realmente devem ser adquiridas.

Quais são as vantagens de investir em fundos de ações?

A possibilidade de contar com a assessoria de profissionais que se dedicam à análise de mercado de ações é uma das principais vantagens para quem investe nesses fundos. Confira, a seguir, alguns outros benefícios de optar por esses produtos.

Gestão profissional

Ao contar com a gestão de profissionais, os fundos de ações solucionam três obstáculos para quem vislumbra investir na Bolsa:

  • falta de tempo para avaliação do mercado;

  • falta de conhecimento sobre o mercado;

  • não querer estudar esse mercado.

Assim, o caminho ideal para esse investidor é a contratação de uma equipe que se dedica exclusivamente à análise dos melhores negócios. Portanto, quando falamos em fundos de ações, a gestão profissional é a primeira grande vantagem.

Facilidade de operação

Se a gestão é o primeiro grande benefício, a segunda vantagem a ser destacada sobre fundos de ações é a facilidade operacional.

Basta comprar uma cota de um fundo e você já é dono de um portfólio diversificado de ações, sem precisar se preocupar com o rebalanceamento e reinvestimento de dividendos. Não há cobrança de corretagem a cada movimentação, o que beneficia imensamente o pequeno investidor.

Além disso, em fundos de ações, o pagamento de Imposto de Renda é realizado apenas quando esse investidor deixa o fundo.

Diversificação com poucos recursos

Para quem busca diversificar a carteira de investimentos, mas tem poucos recursos à disposição, os fundos de ações são uma ótima alternativa. O investidor pode comprar ações de diversas empresas, com investimento inicial de apenas R$ 500.

Caso tente comprar ações diretamente na Bolsa, precisará ter mais dinheiro à disposição e não conseguirá ter exposição a um leque tão grande de empresas, o que o torna mais vulnerável a problemas específicos de poucas empresas.

Maior rentabilidade

Quando comparados a outros investimentos, principalmente os produtos de renda fixa, os fundos de ações apresentam como uma grande vantagem a maior rentabilidade. Esse fator ainda é acentuado em períodos de CDI baixo, como acontece nos últimos anos, por consequência da queda da Taxa Selic — taxa básica de juros da economia brasileira.

Todavia, quem procura investir em fundos de ações deve estar atento à maior volatilidade. Por conta da oscilação entre ganhos e perdas, é recomendável investir no mercado de ações quando há um horizonte de longo prazo, em que se espera maior rentabilidade de 2 a 3 anos. Caso haja a possibilidade de precisar desse dinheiro em prazos menores, é preferível avaliar outras alternativas.

Fundos de ações oferecem rentabilidade maior em médio e longo prazo e devem ser uma alternativa considerada por todos os investidores.

Mesmo para pessoas com perfis conservadores, a alocação de um pequeno percentual de sua carteira — cerca de 5% — em fundos de ações é considerada uma boa estratégia. Já investidores mais agressivos podem avaliar percentuais maiores.

Quais critérios devem ser analisados para escolher fundos de ações?

Uma vez que as vantagens de investir em fundos de ações já é conhecida, é necessário saber como escolher as melhores alternativas. Confira, a seguir, 3 critérios que podem ajudar nessa escolha.

Taxas de administração e de performance

Ao investir em fundos de ações, é preciso observar a taxa de administração cobrada pelos gestores e analisar se elas estão condizentes com o que é praticado no mercado. Em geral, esse percentual é de 2% ao ano.

Além da taxa de administração, outra que deve ser observada é a de performance. Como parâmetro, o investidor precisa ficar atento quando a cobrança é muito superior a 20% do que excede o benchmark — o Ibovespa, no caso de fundos de ações.

Taxas de performance funcionam como um alinhamento de interesses. O gestor só a recebe se o investidor tiver ganhos. E nesse caso, ainda é considerada uma marca d’água.

A taxa somente pode ser cobrada se o investidor tiver lucro no período acumulado desde sua aplicação — se houver perdas, não há um momento em que os valores negativos sejam “zerados”, o que obriga o gestor a mirar ganhos ano após ano.

Histórico do fundo

Um importante fator para avaliar a confiabilidade dos fundos de ações é a observação do histórico do fundo. É recomendável a análise dos resultados nos últimos 3 anos, para a verificação de dados como volatilidade e retorno.

Nenhuma rentabilidade passada é garantia de rentabilidade futura. Busque observar a rentabilidade nos últimos 12 meses, mas, sobretudo, tente entender quais são as estratégias adotadas pelos gestores.

Estratégia do fundo

Para identificar o fundo mais aderente ao seu perfil, avalie a estratégia adotada pelos gestores. Há fundos que compram ações de empresas Small Caps. São aqueles que procuram identificar oportunidades de mercado, com análises fundamentalistas e esperam encontrar “empresas baratas”.

Em fundos de estratégias de dividendos, por sua vez, os gestores buscam empresas maduras que pagarão parte de seu lucro líquido aos seus acionistas.

Já fundos com estratégia livre apresentam o maior risco, pois podem trabalhar com derivativos e não têm estratégia robusta como a dos demais fundos de ações.

Portanto, antes de realizar um investimento, é importante ler sobre a estratégia adotada e se informar sobre sua gestão.

Lembre-se ainda de que a equipe responsável por gerir essas estratégias pode ser modificada e, assim, a inteligência por trás de resultados positivos já não ser mesma.

Para escolher um fundo de ações, não se limite ao que é oferecido pela corretora. Faça pesquisas, converse com profissionais e busque publicações especializadas do mercado financeiro, que listam fundos por estratégias e os qualificam por notas.

Quer receber mais informações sobre investimentos e entender quais são as melhores alternativas para o seu perfil? Assine nossa newsletter e receba conteúdos como este diretamente na sua caixa de entrada!