Diversificar a carteira de investimentos é uma estratégia bastante recomendável para quem quer navegar com mais segurança pelas “águas”, muitas vezes, agitadas do mercado financeiro.

Quem nunca ouviu falar na chamada “aplicação do momento”, não é mesmo? Por incrível que pareça, quando esse tipo de notícia surge, muita gente se sente tentada a colocar todo o capital na nova oportunidade, com a expectativa de multiplicar rapidamente o patrimônio.

O problema ocorre quando tal decisão se mostra equivocada no futuro, e a pessoa perde todas as economias. Acha difícil isso acontecer na prática? Saiba, então, que existem vários relatos de pessoas que já tiveram grandes prejuízos devido à falta de um gerenciamento de risco eficiente no mercado financeiro.

Para evitar esse tipo de situação, veja em seguida por que é tão importante diversificar as suas aplicações, além de conferir dicas para fazer isso. Acompanhe!

Como diversificar a carteira de investimentos?

Você pode distribuir o seu dinheiro em diferentes aplicações financeiras, seja de renda fixa, seja de renda variável, conforme o seu perfil de tolerância a risco e os seus objetivos de curto, médio e longo prazo.

Como você pode perceber, de antemão, não existe uma receita única de como diversificar carteira de investimentos. Afinal, não há aplicação financeira 100% recomendável para qualquer tipo de pessoa.

Dessa maneira, o indivíduo deve fazer um diagnóstico das próprias necessidades em termos financeiros, analisar o contexto econômico e as possibilidades de investimentos disponíveis no mercado, para, então, bater o martelo quanto aos ativos que colocará na carteira.

Cabe salientar que, em alguns casos específicos, “menos representa mais”. Para que você entenda melhor essa colocação, é útil lançarmos mão de uma máxima da área de administração de empresas.

Nesse campo do conhecimento, é comum se ouvir dizer que não vale a pena para um negócio controlar minuciosamente o estoque de determinado tipo de produto, quando o trabalho para realizar isso for muito superior ao preço da mercadoria. Por exemplo, utilizar o monitoramento do estoque de clipes num escritório. Já pensou se houvesse a necessidade de contá-los, um por um, todos os meses, para um inventário? Seria uma tarefa que não valeria a pena, concorda?

O mesmo raciocínio pode ser utilizado na hora de diversificar carteira de investimentos. Para você ter ideia, algumas pessoas ainda não dispõem de um capital considerável, mas optam por distribuí-lo em diferentes tipos de ativos, justamente para ter a sensação de que conquistaram mais segurança nos investimentos, devido à diversificação.

A desvantagem desse tipo de estratégia de espalhar o capital reduzido em várias aplicações é arcar com altos custos operacionais, o que acaba por reduzir bastante a rentabilidade líquida dos ativos. Num caso assim, muitas vezes é mais lucrativo aplicar os recursos em apenas um tipo de investimento, como o Certificado de Depósito Bancário, nem que seja de emissores diferentes.

Por outro lado, se a pessoa já acumulou um capital considerável, mas ainda o mantém concentrado em poucas aplicações, como a tradicional caderneta de poupança, aí sim vale a pena utilizar a estratégia de diversificar carteira de investimentos.

Nesse caso, é recomendável balancear a cesta de ativos entre aplicações de renda fixa e renda variável, de acordo com o perfil de tolerância a risco. Em geral, as pessoas dividem o capital em porcentagens próprias para cada uma dessas classes de investimentos. Por exemplo, 70% do dinheiro em renda fixa e 30% em renda variável, para um perfil moderado.

Note que a distribuição do capital entre uma classe e outra depende de vários fatores, como perspectivas do mercado e estágio de vida do investidor.

Numa hipótese, se as taxas de juros estiverem altas, a renda fixa passa a ser bastante atrativa, por causa da segurança que ela proporciona. Por outro lado, se a bolsa de valores vive uma fase de baixa nas cotações, abre-se a oportunidade para adquirir papéis, para colher uma possível valorização no futuro.

Ainda assim, se a pessoa já estiver com certa idade, por exemplo, já aposentada, pode ser arriscado demais destinar parte dos recursos na renda variável, uma vez que possa demorar um tempo considerável até que as aplicações tenham o desempenho esperado.

Quais são os benefícios da diversificação de investimentos?

Diversificar a carteira de investimentos significa atuar em duas pontas: reduzir riscos e favorecer ganhos. Ao distribuir o capital em vários tipos de aplicações, como Certificado de Depósito Bancário, Letra de Crédito Imobiliário, ações de empresas etc., o investidor dilui os riscos envolvidos em cada aplicação.

Assim, se ocorrer algum problema num dos ativos, o indivíduo não fica sem dinheiro para proteger a própria vida financeira. Além disso, se um investimento tem perda em determinado período, outro ativo com ganho pode compensar eventual prejuízo e, dessa forma, equilibrar o desempenho da carteira.

Em outra perspectiva, a diversificação de investimentos contribui para que o investidor aproveite as melhores oportunidades para cada contexto econômico vivenciado. Por exemplo, numa fase de inflação alta, ter na carteira um título de renda fixa atrelado ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) representa não sofrer perda no poder de compra da moeda.

Quais são os riscos de não diversificar a carteira de ativos?

O perigo de não distribuir o dinheiro entre várias aplicações é justamente ficar exposto demais à performance de um só tipo de investimento. Nesse caso, quando ocorrer um problema com esse ativo, a pessoa pode ficar até sem dinheiro para arcar com despesas básicas, principalmente se não soube fazer um gerenciamento de risco eficiente.

Além disso, concentrar o patrimônio em uma só aplicação significa ainda deixar de ganhar mais dinheiro, em alguns casos, sem correr riscos adicionais. Por exemplo, quem deixa o dinheiro parado na caderneta de poupança, geralmente recebe menos do que quem aplica em certos títulos privados de renda fixa, como CDB, LCI, Letra Financeira etc.

Como você pode perceber, diversificar a carteira de investimentos é uma estratégia bastante útil não só para proteger o capital como também para potencializar a rentabilidade.

Gostou dessa tática? Que tal aprofundar ainda mais os seus conhecimentos? Leia, então, o post “Como montar uma carteira de investimentos de sucesso?”!