Quem já conseguiu juntar certa quantia, geralmente se questiona acerca de qual é o melhor investimento de curto prazo. Como deixar o dinheiro sem movimentação na conta corrente não é uma atitude prudente, uma vez que ele fica à mercê da inflação. Procurar por aplicações rentáveis, portanto, é uma maneira proativa de proteger o poder de compra da moeda e, ainda, obter ganhos extras.

Nesse contexto, se a pessoa tem a expectativa de utilizar a quantia em curto prazo, o que inclui um período de até dois anos, é recomendável aplicar os recursos em ativos que ofereçam rentabilidade frequente e que possibilitem resgate com certa facilidade.

Para ajudá-lo a escolher as melhores opções para fazer o seu dinheiro crescer, mesmo em um horizonte de tempo pequeno, apresentamos em seguida alguns cuidados que você deve ter na hora de aplicar os seus recursos. Confira!

Qual o melhor investimento de curto prazo​?

Em curto prazo, as aplicações de renda fixa com liquidez e rentabilidade diárias são bastante indicadas, como Certificado de Depósito Bancário (CDB), Letra de Crédito Imobiliário (LCI) e Letra de Crédito do Agronegócio (LCA).

Nesses casos, o dinheiro aplicado rende desde o primeiro dia de investimento. Com isso, caso a pessoa precise resgatar a quantia mais tarde, ela obterá o retorno acumulado durante o tempo de alocação dos recursos no respectivo título.

Em situação diferente, se o rendimento for mensal (na data de aniversário), como ocorre na caderneta de poupança, ou apenas no término do prazo do título (liquidez no vencimento), o investidor pode correr o risco de não receber retorno positivo pelo dinheiro aplicado.

Além disso, como você já pôde perceber, na hora de escolher qual o melhor investimento de curto prazo, é recomendável optar por aplicações de renda fixa em vez de ativos de renda variável. E por que isso?

Na renda fixa, há maior regularidade na rentabilidade do título, ou seja, na data combinada o investidor receberá a remuneração pelo capital aplicado. Afinal, esse tipo de investimento se parece com um empréstimo, em que a pessoa recebe os juros do valor principal.

Já na renda variável a situação é diferente, devido à oscilação existente nos preços dos ativos, como as ações de empresas negociadas na bolsa. Nesse caso, se a pessoa faz uma aplicação, mas precisa resgatar os recursos de maneira inesperada, pode ocorrer de os ativos estarem com preço abaixo do valor de compra. Como consequência, o investidor pode ter prejuízo na hora da retirada da quantia alocada.

Como comparar produtos do mercado financeiro?

Você já viu que as aplicações de renda fixa são mais indicadas para quem quer saber qual o melhor investimento de curto prazo, mas talvez ainda esteja em dúvida em relação aos diferentes tipos de títulos, certo?

Saiba, então, que o CDB, a LCI e a LCA funcionam como uma espécie de empréstimo que o investidor faz ao banco emissor do título, o qual se compromete a pagar uma remuneração pelo capital aplicado. Com esse dinheiro captado, a instituição financeira pode oferecer crédito para empresas e outras pessoas.

Em linhas gerais, do ponto de vista do banco, a diferença entre as aplicações é que os recursos oriundos de CDB podem ser utilizados para oferta de crédito de uso amplo, enquanto os provenientes de LCI e LCA são destinados, de forma prioritária, para financiamentos ligados a atividades do setor imobiliário e do agronegócio, respectivamente.

No mercado financeiro, o investidor pode encontrar esses tipos de títulos com remuneração pré ou pós-fixada, além de uma combinação entre essas duas formas de pagamento. Nos ativos prefixados, a pessoa conhece de maneira antecipada a taxa de juros que receberá. Já nos pós-fixados, o rendimento só será conhecido no fim do prazo do título.

Na remuneração mista, por sua vez, uma parte do retorno é definida no ato da contratação, enquanto a outra fica atrelada ao chamado indexador, que geralmente é o Certificado de Depósito Interbancário (CDI), a taxa Selic ou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Assim, a outra parcela da remuneração depende do desempenho desses indexadores ao longo do tempo de aplicação.

Vale lembrar ainda que, enquanto o CDB tem incidência de Imposto de Renda segundo a tabela regressiva da renda fixa, a LCI e a LCA são isentas desse tributo.

Como escolher aplicação financeira de curto prazo?

Por mais que as aplicações de renda fixa ofereçam, por características próprias, menos riscos do que os ativos de renda variável, o investidor deve ficar atento a alguns aspectos antes de escolher qual o melhor investimento de curto prazo.

Por exemplo, é recomendável pesquisar o rating do banco emissor do título, que é uma espécie de nota dada à instituição pelas agências classificadoras de risco do mercado internacional.

Tal avaliação serve, entre outros objetivos, para mostrar a saúde financeira ou não do banco. Logo, quanto mais alta a nota, melhor é estrutura da instituição.

Além disso, também é indicado que o investidor avalie o histórico do banco, para saber se ele se manteve firme ao longo dos contratempos pelos quais a economia do país passou nas últimas décadas. Em caso afirmativo, é sinal de que a instituição preza pela própria saúde financeira, o que indica também uma gestão eficiente.

Outro ponto para se analisar é a cobertura ou não do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), que pode ser comparado a um tipo de seguro da aplicação financeira, o qual pode ser acionado se houver inadimplência ou falência do emissor do título.

Mais um aspecto a ser avaliado, e para muitos o de maior importância, é a rentabilidade do investimento. Nesse quesito, embora a caderneta de poupança seja uma das aplicações mais procuradas pelas pessoas para guardar dinheiro, ela oferece um retorno considerado baixo se comparado a CDBs, LCIs e LCAs existentes no mercado.

Em algumas situações, o rendimento da caderneta sequer serve para cobrir a inflação do período, logo, o investidor tem perda real do poder de compra. Isso quer dizer que, na hora de realizar compras, ele conseguirá levar menos mercadorias do que se não houvesse o efeito inflacionário.

Que obter mais informações para escolher qual o melhor investimento de curto prazo? Entre em contato, então, com a equipe do Paraná Banco e tire todas as suas dúvidas! Venha fazer o seu dinheiro render cada vez mais!