É comum que investidores iniciantes fiquem curiosos para conhecer o valor final do investimento. Mas, para chegar a ele, não basta somar a quantia investida ao percentual de rentabilidade. É  preciso entender como funciona a tabela de rentabilidade do investimento, pois existem vários outros fatores que influenciam no cálculo do seu rendimento! 

A tabela de rentabilidade leva em conta aspectos como: percentual de rentabilidade, prazo, desconto do Imposto de Renda, entre outros. Mas não se preocupe: neste post, vamos falar sobre todos eles. Acompanhe!

O que é rentabilidade?

Primeiramente, é importante entender o real conceito de rentabilidade, e que papel ela desempenha entre os benefícios a serem analisados na hora de escolher um investimento.

Ao contrário do que o senso comum indica, a rentabilidade não é o único aspecto que deve ser considerado ao escolher um investimento. As 3 principais características que formam o famoso “tripé dos investimentos” são:

  • rentabilidade;
  • liquidez; 
  • segurança.

A rentabilidade diz respeito à quantidade de dinheiro que o seu investimento vai gerar. Conforme veremos depois, a rentabilidade pode depender de um percentual de juros prefixado, de um índice financeiro, ou de flutuações da economia que não sejam possíveis de fixação ou previsão. 

A liquidez diz respeito à quantidade de tempo necessário para que o dinheiro investido esteja disponível para resgate. Alguns investimentos oferecem liquidez diária, mas a maioria leva mais tempo para começar a render. 

Enquanto isso, a segurança é o grau de risco que o investimento oferece. Em tese, toda aplicação apresenta algum tipo de risco. No entanto, algumas oferecem menos que outras.

É importante conhecer todos esses aspectos para poder escolher o investimento que melhor se adequa ao seu perfil de investidor e aos seus objetivos financeiros. Afinal, como é possível perceber, a rentabilidade não é a única característica dos investimentos.

Como entender a rentabilidade do seu investimento?

Para saber quanto o seu investimento renderá, não basta conhecer o percentual de rentabilidade. Essa porcentagem, somada ao valor do investimento inicial, representa apenas a rentabilidade bruta.

Sobre a maioria dos investimentos, existe o desconto da alíquota do Imposto de Renda. Essa alíquota varia conforme o prazo que você leva para resgatar o investimento. Quanto mais longo, menor a alíquota. Quanto mais rápido você resgatar o investimento, maior será o desconto do IR.

Veja a tabela:

 Prazo de resgate do investimento  Alíquota do Imposto de Renda
 Até 180 dias  22,5%
 De 181 a 360 dias  20%
 De 361 a 720 dias  17,5%
 Acima de 720 dias  15%

Em alguns casos, se você resgatar o investimento rápido demais, corre o risco de perder dinheiro. Isso acontece porque o pouco rendimento gerado pode não ser suficiente para compensar o desconto do Imposto de Renda.

Por isso, o ideal é aguardar até o fim do prazo do investimento, sem mexer no dinheiro. Quanto mais tempo o dinheiro fica parado, mais ele rende. Alguns bancos e corretoras também têm taxas de administração ou outras cobranças que também devem ser subtraídas da rentabilidade bruta. Descontados esses valores, conhecerá a rentabilidade líquida — o que você efetivamente poderá desembolsar.

Além de tudo isso, há um outro fator que não pode ser esquecido, ao procurar pela rentabilidade de um investimento: a inflação. Como se sabe, a inflação é um fenômeno econômico que leva o dinheiro a perder valor nominal com o passar do tempo — ou seja, o nosso dinheiro perde poder de compra.

Então, também é importante descontar o percentual da inflação do valor final rendido pelo investimento. Afinal, de nada adianta saber quanto você vai desembolsar, se esse valor não der uma noção verdadeira de quanto isso representa no cenário econômico do momento do resgate.

O rendimento, sem desconto da inflação, é chamado de rentabilidade nominal. Quando descontada a inflação, o rendimento é chamado de rentabilidade real.

O que é a tabela de rentabilidade?

Nos investimentos de renda fixa, a rentabilidade é gerada na forma de juros fixados previamente ou de um índice financeiro. Ele pode ser, entre outros:

  • Certificado de Depósito Bancário (CDB);
  • SELIC, a taxa básica de juros da economia brasileira;
  • Índice nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Quando a rentabilidade do investimento está atrelada a algum índice financeiro, é importante saber que não há como prever exatamente o quanto seu investimento renderá. Os índices são variáveis. Com o passar do tempo e conforme o andamento da economia nacional e mundial, os índices podem subir ou descer.

Por isso, é importante conhecer bem o seu investimento e escolher índices ou percentuais que agreguem maior segurança. Nos CDBs indexados ao CDI, por exemplo, é interessante que eles ofereçam pelo menos 100% do CDI. 

O valor do investimento, então, será representado pela fórmula:

(Valor investido + percentual do índice ou dos juros) – descontos do IR – desconto da inflação – desconto da taxa de administração

Esse é o cálculo que você usa para formar a tabela que mostrará a rentabilidade do Tesouro Direto, por exemplo, entre outros investimentos.

Quanto à rentabilidade do CDB indexado ao CDI, o percentual do índice ou dos juros, na tabela acima, será substituído pela multiplicação da taxa do CDI pela porcentagem contratada.

{ Valor investido + [ taxa do CDI x  (Y / 100) ]  } – descontos do IR – desconto da inflação – desconto da taxa de administração

Já a rentabilidade dos investimentos de renda variável é um pouco diferente. Afinal, nesses investimentos, não há um percentual ou índice que possa ser prometido ou fixado. É o caso da rentabilidade dos fundos de investimento, das ações, entre outros investimentos. 

Mesmo assim, também há sites e aplicativos que permitem acompanhar a rentabilidade do seu investimento de renda variável, em tempo real.

Também existem sites que mostram a tabela de rentabilidade passada destes investimentos. Essa tabela pode dar uma noção de como o investimento costuma funcionar — mas não pode ser usada como um parâmetro certeiro para saber como ele se comportará no futuro. Isto porque a economia pode mudar, e podem acontecer muitas coisas que afetem a rentabilidade do investimento, de forma positiva ou negativa.

Como você pôde perceber, há muitos conceitos que precisamos conhecer para escolher um investimento e acompanhar seu rendimento, como é o caso da tabela de rentabilidade. Mas não se assuste: investir não é exclusividade de especialistas. Qualquer pessoa pode investir! 

Temos um guia especial para investidores iniciantes que pode ajudar bastante. Leia e continue se informando para conhecer melhor o funcionamento dos investimentos, até encontrar aquele que é ideal para você!