Albert Einstein teria dito que os juros compostos são a maior força do universo. A frase atribuída ao famoso físico não chega a ser exagerada. Embora as pessoas geralmente só notem o poder dos “juros sobre juros” quando estão endividadas, na verdade, esse efeito também pode ser usado a favor de quem poupa e investe.

Com disciplina para economizar e aplicar regularmente certa quantia, um indivíduo pode até mesmo construir uma fortuna ao longo do tempo.

Afinal, além do próprio esforço, o investidor contará com o auxílio direto dos juros compostos para multiplicar o capital aplicado. Na prática, é como se fossem duas ou mais pessoas trabalhando em prol de um só objetivo.

Quer saber como isso pode se tornar realidade? Então, acompanhe este post e veja como aumentar o seu patrimônio com consistência na renda fixa.

O que são juros compostos?

De modo simples, pode-se dizer que o preço pago pelo aluguel do dinheiro são os juros. No dia a dia, quem toma uma quantia emprestada se compromete a devolver o valor integral mais os juros depois de certo período.

Nesse caso, a pessoa que não tinha o dinheiro resolveu emprestá-lo ou “alugá-lo” de alguém, seja outro indivíduo ou uma instituição, como um banco.

Na outra ponta da negociação, quem empresta o valor espera receber a quantia corrigida após o prazo combinado. No caso das aplicações financeiras de renda fixa, como o Certificado de Depósito Bancário (CDB), o investidor faz uma espécie de empréstimo para um banco, o qual usa esse dinheiro para oferecer crédito para outras pessoas e, assim, movimentar a economia.

Via de regra a remuneração dos investimentos é feita por meio da capitalização com juros compostos. Nesse caso, a taxa acordada entre quem detém um título de crédito, como um CDB, e o banco emissor desse papel é calculada sobre o montante acumulado mês a mês.

A fórmula para descobrir quanto vai ganhar com juros compostos em determinado tempo é a seguinte: M = C x (1 + i)t

Em que:

M = montante acumulado;

C = capital inicial;

i = taxa de juros;

t = tempo da aplicação.

Como o capital é multiplicado?

Vamos supor que você aplicou R$ 10.000 em um Certificado de Depósito Bancário, com rentabilidade mensal de 1%. Passados trinta dias, a aplicação geraria ganho de R$ 100, e o saldo total seria de R$ 10.100. A partir desse ponto começa a agir o efeito dos juros compostos.

Antes, vale lembrar que se a capitalização fosse por juros simples, a taxa seria calculada sempre sobre o capital inicial, consequentemente, com ganho mensal igual em todos os meses.

Entretanto, com o uso dos “juros sobre juros”, a rentabilidade incide sobre o montante acumulado. De volta ao exemplo anterior, no segundo mês a taxa de 1% será aplicada aos R$ 10.100, para gerar um ganho de R$ 101.

No terceiro mês, a remuneração será calculada sobre o montante do mês antecedente, nesse caso, R$ 10.201. Logo, o ganho mensal desta vez seria de R$ 102,01. Perceba que, com os juros compostos, a cada mês o lucro fica maior.

Para agilizar os cálculos, vamos agora utilizar a fórmula anterior, para saber quanto o investidor teria ganhado em 25 meses: M = 10.000 x (1 + 0,01)²⁵.

Note que aqui utilizamos a taxa expressa em forma decimal e que ela e o período de aplicação devem estar na mesma unidade de tempo, nesse caso, mês. Ao se fazer os cálculos, chega-se a um montante bruto de R$ 12.824,32.

Se os mesmos R$ 10.000 tivessem sido aplicados via juros simples, o valor acumulado seria de R$ 12.500. Portanto, os juros compostos foram responsáveis por um ganho de quase 2,60% sobre o montante com juros simples.

Qual a influência do tempo nos investimentos?

À primeira vista, alguém pode achar os ganhos mencionados até aqui aquém das próprias expectativas. Entretanto, não podemos deixar de salientar o efeito do tempo associado aos juros compostos.

Se colocarmos o montante acumulado por meio dessa forma de capitalização em um gráfico, veremos que no início a curva de crescimento tende a acompanhar o eixo horizontal, quer dizer, o ritmo de aumento é mais lento.

Contudo, depois de certo período de acumulação, os “juros sobre juros” passam a agir de maneira mais forte e, assim, a curva muda de trajetória e passa a querer seguir o eixo vertical.

Se o investidor faz aportes mês a mês, ele acelera o processo de “maturação” dessa curva e, com isso, contribui para que a multiplicação de capital ocorra de maneira mais rápida.

Além disso, quanto mais cedo se começar a investir, mais tempo será disponível para que haja a capitalização.

Para você ter ideia de como o prazo da aplicação é importante, veja em seguida a diferença de valor acumulado entre quem deixou R$ 10.000 aplicados por 10 anos e quem investiu a mesma quantia por 20 anos, ambos com taxa de 1% ao mês.

No primeiro caso, o retorno bruto foi de R$ 33.003,87, enquanto no segundo saltou para R$ 108.925,54. Como se pode notar, o dobro de tempo de aplicação mais que triplicou o valor acumulado na primeira hipótese.

Além disso, investimentos de longo prazo na modalidade de renda fixa, como é o caso do Certificado de Depósito Bancário (CDB), possibilitam que o investidor pague a menor alíquota de Imposto de Renda retido na fonte. Afinal, com mais de dois anos de aplicação, o IR sobre os rendimentos é de 15%, a taxa mais baixa dessa tributação.

Como você pôde perceber, os juros compostos de fato são uma grande força para se multiplicar patrimônio. Com disciplina para economizar e aplicar, além da obtenção de taxas de remuneração vantajosas, que superem os 100% do Certificado de Depósito Interbancário (CDI), taxa referência no mercado de renda fixa, o investidor cria as condições para gerar riqueza e construir um futuro melhor para si e para a família.

Quer receber mais dicas para melhorar a sua vida financeira? Então, curta a página do Paraná Banco no Facebook e não perca as próximas postagens!