Sem tempo para ler? Que tal OUVIR esse texto? Clique no play e aprenda como calcular a rentabilidade do CDB!

Frequentemente apontada como uma das melhores opções entre os investimentos de renda fixa, a rentabilidade do CDB (Certificado do Depósito Bancário) não chama atenção à toa.

Trata-se de um título privado, emitido por instituições bancárias que visam a captação de recursos. Ou seja, você se torna uma espécie de credor do banco do qual adquiriu esse produto e ele lhe pagará um retorno acrescido de juros.

No entanto, como escolher a melhor instituição para investir? Quão rentável ele é? Como fazer esse cálculo? Se você deseja encontrar as respostas para essas e outras perguntas, continue lendo o texto de hoje!

Como fazer o cálculo da rentabilidade do CDB?

Antes de tudo, é preciso compreender que existem modalidades variadas para investir no CDB e elas implicam diferentes condições para calcular as respectivas rentabilidades. Em virtude disso, daremos foco às duas mais populares: pré e pós-fixado.

CDB prefixado

Como diz seu próprio nome, ele tem as taxas previamente determinadas, o que facilita muito no planejamento a longo prazo. Dessa forma, antes do investimento, você fará um acordo a respeito dos juros com o banco e saberá da rentabilidade no momento da aplicação. É possível, inclusive, simular esse valor.

Isso não depende de mudanças pontuais no cenário econômico nem nada do gênero. A base para o cálculo são apenas os juros e a quantidade de dias úteis do intervalo de tempo no qual a aplicação foi feita.

Se você investisse R$15.000, por exemplo, com a taxa definida de 13% ao ano e prazo de vencimento para dois anos, o retorno bruto seria de pouco mais de R$19.150.

CDB pós-fixado

Ao contrário da modalidade anterior, não há como saber quanto o investimento dessa categoria renderá até o vencimento dos prazos, porque ela tem uma rentabilidade influenciada por outros aspectos. Isso não quer dizer, no entanto, que se trata de uma alternativa com muitos riscos, tendo em vista que ela também é uma opção suficientemente conservadora.

Ele tem como indexador o índice financeiro do CDI (Certificado de Depósito Interbancário), que é redefinido a cada 45 dias, quando o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central se reúne. Dessa forma, a instituição financeira em questão paga uma taxa que é calculada sobre esse indicador.

Imagine que você tenha investido R$ 20.000 em um CDB pós-fixado com um ano de prazo. O banco se propôs a pagar 108% do CDI, cujo valor, no último mês, foi de 0,9%. Depois de 30 dias, esse valor se convertesse em R$ 20.194, aproximadamente.

Sendo assim, embora ele não seja previsível no momento da aplicação, é perfeitamente viável acompanhar os seus rendimentos. Para isso, basta saber o CDI do mês anterior e traçar as estimativas com base no seguinte cálculo:

  • VF = VI x [1 + (CDI x TB)]

Sendo que:

  • VF é o valor final;

  • VI é o valor inicial;

  • CDI é o valor dessa taxa no último mês;

  • TB é quanto o banco paga sobre o CDI.

Quais fatores influenciam?

Curva de juros

Seja no pré ou no pós-fixado, a alta e a queda da curva de juros influenciam em quão rentável o CDB pode ser. Por isso, é recomendável se atualizar constantemente sobre a macroeconomia.

Em linhas gerais, pode-se dizer que, na alta dos juros, a modalidade pós-fixada é melhor. Em contrapartida, a prefixada tem resultados mais atrativos durante a queda, como tem acontecido atualmente. Lembre-se: nem sempre quem paga mais tem a melhor rentabilidade.

De qualquer forma, a escolha mais segura é optar pela entidade que oferece as melhores condições e as taxas mais convidativas. Nesse sentido, o Paraná Banco é uma ótima escolha.

Liquidez

A liquidez do CDB varia entre duas opções: prazo fechado ou liquidez diária. Na primeira opção, estabelece-se uma data final para a retirada do dinheiro e você precisa esperar até o fim dela para garantir que seu investimento renda bem.

A segunda, por sua vez, lhe permitirá resgatar esse montante com agilidade. Em compensação, ele não renderá tão bem quanto a alternativa na qual se delimita um vencimento da aplicação.

Por conta desses fatores, é válido dizer que um investimento com um longo prazo fechado se configura, na maioria das vezes, como a melhor via para conseguir uma boa rentabilidade do CDB. Isso acontece não só pela oferta do banco, mas também pela redução na tributação.

O que a instituição financeira tem a ver com isso?

De maneira resumida: tudo. Investir seus recursos no lugar certo é o primeiro passo para tornar o futuro financeiro de sua família mais tranquilo. Além disso, busque por uma boa educação financeira antes de começar a investir.

Medidas simples de economia voltadas para o orçamento familiar podem fazer muita diferença, possibilitando maiores investimentos.

Como escolher um banco para investir?

Analise, antes de tudo, o histórico da instituição. Veja a reputação dela diante do Banco Central, procure sobre ela nas redes sociais, vasculhe por depoimentos de pessoas que já trabalharam com ela.

Tenha atenção, também, ao rating do banco. Ele nada mais é do que uma fiscalização imparcial contratada com o intuito de auditar as operações dos bancos, como eles se organizam administrativamente, entre outros fatores.

O ideal é que ele apresente baixo risco de crédito, ou seja, não ofereça riscos aos créditos de seus clientes.

Escolher grandes bancos, ao contrário do que parece, nem sempre é uma boa ideia. Esta matéria publicada pela Folha exemplifica melhor o porquê disso. Resumidamente, isso se dá porque não é tão interessante para bancos de grande porte oferecer bons produtos de CDB, o que não se aplica a outras corporações bancárias, como o Paraná Banco.

Entre as vantagens por ele oferecidas, pode-se destacar a garantia pelo FGC — fundo garantidor de crédito, que garante até R$ 250.000 —, a boa rentabilidade, a praticidade de fazer tudo online e o fato de ser bem avaliado pelas instituições de rating.

Sendo assim, o risco desse investimento está atrelado à idoneidade da instituição bancária escolhida. Ter uma boa rentabilidade do CDB está totalmente associado a escolha de um bom banco.

Se você gostou deste texto e ficou curioso para saber mais, experimente fazer uma simulação online de investimento. Sua independência financeira pode começar agora!